EMOJIS COM GÊNERO E RAÇA?!

 

1.1 Recordando a Atualização de 2015 do WhatsApp para o Android

 

Você notou que o WhatsApp tem disponibilizado ícones de mãos, braços, rostos - os chamados emojis - de várias etnias? E não foi apenas isto, integrou a diversidade sexual aos ícones disponíveis.

 

O "Legal", por exemplo, tem cinco variações. Até o "anjo" tem as novas tonalidades de pele.

 

 

 

 

 

A propósito, elas são correspondentes à classificação dos fototipos cutâneos criada em 1976 pelo dermatologista e diretor do departamento de Dermatologia da Escola de Medicina de Harvard, Thomas B. Fitzpatrick, gerando uma escala que leva seu nome. Para saber algo mais sobre ela, acesse o portal da Sociedade Brasileira de Dermatologia: http://www.sbd.org.br/cuidados/por-que-as-pessoas-tem-tons-de-pele-diferentes/. 

 

A Consórcio Unicode, que controla os padrões do emojis, tinha anunciado já em fins de 2014 esta nova versão que, em 30 de junho de 2015, integrou a atualização do WhatsApp para o Android.

 

É fácil usar as opções. Se vc estiver usando um computador fixo ou notebook, basta clicar com o botão direito do mouse/película, sobre qualquer das opções amarelas e os cinco correspondentes fototipos cutâneos surgirão. No celular, basta manter pressionado o emoji desejado, as opções aparecem. 

 

1.2 Limites e Diversidade 

 

O aplicativo ainda não disponibiliza as mesmas opções étnicas para os ícones de pares de amig@s e/ou casais, porém já há as combinações de pares heterosexuais e homoafetivos.

 

 

 

 

Para fazer combinar em casais todas as cinco tonalidades de pele que o aplicativo disponibiliza seria necessário disponibilizar 25 opções para hetrossexuais e mais outras 50 para casais de homens e mulheres. 

 

Quanto às formações familiares, notando-se com atenção, há uma grande variedade, incluindo cinco opções para casais homoafetivos femininos e outras cinco para casais masculinos.

 

 

 

 

As combinações familiares possíveis entre as etnias, todavia, não estão disponibilizadas. Todos são representados em cor amarela. Aí temos um limite operacional?

 

Se apenas com combinações de dois elementos teríamos já 75 combinações, com grupos de 3, 4 ou mais elementos, as possibilidades elevar-se-iam de forma talvez pouco prática. 

 

Considerando que a variedade real das famílias - em número, gênero e etnia - é incomparavelmente mais rica, seria ingênua a esperança de capturar com fidelidade a diversidade real simplesmente proliferando opções até as raízes genealógicas mais remotas que, no limite, nos une a um mesmo grupo originário. 

 

Se já não somos todos necessariamente amarelos nem negamos a existência das diversidades a todo momento, os outros momentos respondem pela necessidade de direito, tecnologia e inventividade. 

 

Por que não criar, paralelamente às opções existentes, uma base de emojis incolores, para livre escolha das tonalidades cutâneas e outros elementos étnicos como tipos de cabelo, penteados e vestimentas etc., pelos usuários? O pior que pode acontecer é chegarmos ao ponto de ultrapassarmos, em ícones representativos, a riqueza da própria realidade, neste caso sendo muito melhor sermos etnicamente imprecisos por excessos identitários que por restrições simbólicas tardias em meio a tantas micro-revoluções informáticas. Sim, o capitalismo cria seus (ciber)coveiros. 

 

Rilton Primo 

Centro de Estudios por la Amistad de Latinoamérica, Asia y África - CEALA