Instituto Ponte Nova e Ceala: Cooperação em Cultura une Chapada e Litoral

A primeira aproximação entre as equipes do Ceala e do IPN se deu a quase dez anos, quando a primeira prestava consultoria acadêmica para os Graduandos em Filosofia da Faculdade João Calvino (FJC) e do Centro de Tecnologia Aplicada Integrada (CETAI), que transitavam por diversos municípios da Chapada Diamantina, como Wagner, Utinga, Bonito, Lençóis e Morro do Chapéu.

 

Em uma das mais tradicionais e culturalmente ricas agendas do município de Wagner, a Festa dos Vaqueiros, a meio de cantos dos aboiadores e toques dos berranteiros, Ceala e IPN iniciam amizade duradoura, que gerou frutos e planos.

Entre as Cooperações em Cultura cabe destacar três ações: 1) a realização conjunta da 1ª Excursão Cultural Chapada-Salvador, 2) a consultoria em Sistemas Socioeconômicos Comparados e 3) a doação, da Biblioteca do Ceala, para a biblioteca do IPN, de livros de Física, Economia Solidária e Políticas de Paz e Desarmamento Nuclear.

A 1ª Excursão Cultural Chapada-Salvador conduziu, em dois ônibus, de Wagner para Salvador, uma parte dos corpos docente e discente do IPN para realização de uma programação que envolveu a Visita ao Complexo Arquitetônicos da Barra (Museu Náutico, Forte de Santa Maria e Farol da Barra/Forte Santo Antônio), visita ao colonial Solar do Unhão (Entreposto Comercial Negreiro), espetáculo Musical (Free Jazz) no Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM), com direito a uma sessão de cinema educativo na Sala de Exibição da Universidade Federal da Bahia (UFBa) e  passagem pelo Mercado Modelo, Elevador Lacerda e ao mirante da Câmara Municipal, Prefeitura e Palácio dos Governadores.

A consultoria em Sistemas Socioeconômicos Comparados foi concedida pelo economista e responsável técnico pelo Ceala, Rilton Primo, em abril de 2015, na forma de contribuição aos Debates Escolares do ensino médio com o tema SOCIALISMO X CAPITALISMO, objetivando COMPREENDER AS DIFERENÇAS SOCIAIS E POLÍTICAS QUE EXISTEM NOS PAÍSES QUE ADOTAM ESTES SISTEMAS ECONÔMICOS e adotando por SUB TEMAS:

  • Educação

  • Saúde

  • Distribuição de Renda

  • Corrupção

  • Classes sociais

  • Desigualdades sociais

  • Índices de pobreza

  • Tecnologia

  • Meio Ambiente
     

O tema do debate foi contextualizado ao conteúdo da aula de geografia: surgimento do capitalismo e suas fases, a guerra fria e o mundo bipolar, conduzida pela Profa. Joseane Ferreira, com a colaboração da diretora do IPN, Profa. Ana Célia. Países em foco para o Socialismo: China, Cuba, Vietnã e Coreia do Norte. Países em foco para o Capitalismo: Todos os demais países do globo com destaques para: Rússia, Estados Unidos, Noruega, Japão, Coreia do Sul e Canadá.

Um dos principais planos desta história de cooperação, ainda não concretizado, é a realização, em Wagner, do Primeiro Festival Nacional de Aboiadores e Berranteiros da Chapada Diamantina, projeto que já está estruturado e orçado, tendo sido inclusive aprovado nas fases de habilitação jurídica e técnica de um edital nacional e outro da UNESCO.

Uma coisa é certa, estes artistas precisam ser ouvidos.

 

Este Festival possibilitaria o registro e difusão audiovisual de suas artes em CD com encarte cultural e vídeos na internet.

 

Para quem ainda não sabe, por meio dos aboios (cantados ou não) e dos toques dos berrantes (sonoros instrumentos de sopro fabricados com chifres de gado) coordenam-se o ritmo, a direção e o estado de espírito de manadas inteiras; trocam-se mensagens, contam-se histórias, realizam-se “toadas”. exibições vocais e desafios poéticos; apresentações, ritos, emulações musicais.

A profissão do vaqueiro foi oficialmente reconhecida como responsável, entre outras coisas, por treinar e preparar animais para eventos culturais e socioesportivos, garantindo que não sejam submetidos a atos de violência. Em Wagner, por exemplo, não há derrubada do boi, apenas a animadíssma corrida de argolinha, que é uma competição de destreza em equitação.

As “Vaquejadas” são festividades que mesclam habilidades de cavalaria com apresentações culturais, artesanato, comidas típicas, poesia, desafios de cantos e toques de berrante. Comunidades e cidades inteiras mobilizam-se. Turistas surgem de todas as partes.

 

Mas este dinamismo não tem sido suficiente para garantir a preservação de sua cultura, pois é espontâneo e, na maior parte das vezes, ignora o desafio que estes artistas enfrentam para encantar. Aprofundar este ciclo de cultura sonora significa dar garantias de preservação para um patrimônio cultural imaterial oficialmente reconhecido, porém de forma tardia, quando já está ameaçado de extinção, porque seus principais artistas são simples, muitos já idosos. Mas há uma nova geração interessada em sua cultura, arte e saberes seculares.

Quem sabe um dia este Festival sai do campo dos planos? 

Por fim, cabe observar que a natureza da Cooperação em Cultura entre o Ceala e o IPN foi, é e sempre será voluntária, fundada nos princípios do humanismo iluminista de J.J. Rousseau e D. Diderot.